TEATRO &
ARTE
MÚSICA &
FESTIVAIS
GASTRONOMIA
FAMÍLIA &
ENTRETENIMENTO
DESPORTO &
AVENTURA
TODOS OS
EVENTOS

ENCONTROS COM FENG SHUI NO MUSEU DO ORIENTE

O Museu do Oriente organiza, até ao final do ano, três cursos dedicados ao Feng Shui que dão a conhecer, numa perspectiva prática mas com uma base teórica, esta disciplina espiritual de origem chinesa cujo objectivo é o de promover o equilíbrio com os espaços e favorecer as energias positivas, em detrimento das negativas.

Uma vez por mês – a 3 de Outubro, 28 de Novembro e 5 de Dezembro – sessões de três horas abordam a aplicação do Feng Shui de acordo com os dois grandes métodos ou escolas clássicas: San He, que foca as formas da envolvente e a procura ou escolha do local correto e, San Yan que permite corrigir a energia do espaço.

A importância do tempo no espaço, as datas mais favoráveis e desfavoráveis para fazer alterações no espaço, os exemplos de Pequim e a Cidade Proibida e de Hong Kong, uma das cidades com maior Feng Shui no mundo, são alguns dos temas abordados nestas sessões, que ensinam pequenas fórmulas de Feng Shui clássico.

Para quem pretende iniciar-se nesta filosofia, o curso de Iniciação decorre entre 12 de Outubro e 30 de Novembro, em quatro sessões de três horas que abordam a história, origem e teorias práticas, contemplando ainda procedimentos de aplicação prática da disciplina.

Por outro lado, para quem se encontra num nível mais avançado, o curso Feng Shui II – 10 e 24 de Outubro, 14 e 21 de Novembro – dá continuidade ao estudo dos métodos San He e San Yan, aperfeiçoando os conhecimentos adquiridos e procurando compreender como se interpreta e aplica o Feng Shui no espaço.

Os cursos são orientados por Alexandra Morgado, mestre em Arquitectura pela Universidade Lusíada de Lisboa e licenciada em Decoração de Interiores pela Escola Superior de Artes Decorativas da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva. Em 2000 iniciou os seus estudos nesta disciplina espiritual, que aprofundou em 2008, em Hong Kong, com o Mestre Raymond Lo.

Encontro mensal com Feng Shui

3 Outubro, 28 Novembro e 5 Dezembro

Horário: 15.00-18.00

Preço: 30 € (três sessões) / 15 € (sessão avulso)

Público-alvo: Destinado aos estudantes de Feng Shui das escolas clássicas. Estes encontros temáticos pressupõem alguns conhecimentos de base ou frequência do curso de Iniciação ao Feng Shui.

 

Iniciação ao Feng Shui

12 e 26 de Outubro, 16 e 30 de Novembro

Horário: 15.00-18.00

Preço: 40 €

Participantes: mín. 8

Feng Shui II

10 e 24 de Outubro, 14 e 21 de Novembro

Horário: 15.00-18.00

Preço: 40 €

Público-alvo: participantes que tenham frequentado o curso de Iniciação desta disciplina.

MUSEU DO ORIENTE APRESENTA PROJECTO METAMORPHOSIS

O Projecto Metamorphosis, chega a Lisboa, depois de Pequim, Cidade do México, San Sebastian e Xangai, para um espectáculo de dança contemporânea,  encerrando assim um ciclo de residência internacional, acolhendo bailarinos de todo o mundo durante a Metamorphosis International Residency. A intensa semana de trabalho, dedicada à criação e exploração coreográfica, culmina no espectáculo que o Museu do Oriente apresenta no dia 1 de Setembro, às 21h00, com coreografia de Iratxe Ansa e Igor Bacovich.

A quinta edição desta iniciativa conta com a participação de 30 bailarinos de 14 nacionalidades – Austrália, Canadá, Alemanha, Grécia, Itália, Malásia, México, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Espanha, Suíça, Estados Unidos e Portugal -, que pretendem explorar o seu potencial criativo, não só na dança como em diversos campos, tais como as artes visuais, através de instalações em espaços culturais e colaborações com artistas.

Projecto Metamorphosis mostra a síntese de tudo o que foi aprendido, vivenciado e partilhado ao longo desta experiência, num espectáculo que conta ainda com a participação especial da cantora basca María Berasarte.

Um fantástico espetáculo de dança contemporânea a não perder no Museu do Oriente.

Projecto Metamorphosis

Dança Contemporânea

1 de Setembro, sábado

21.00

Duração: 60’, sem intervalo

Preço: € 8 (descontos em vigor)

MUSEU DO ORIENTE ORGANIZA STREET FOOD FESTIVAL

O Museu do Oriente organiza um Street Food Festival. Especialidades asiáticas e locais, jogos tradicionais orientais, visitas à la minute, uma conferência sobre Reiki, uma cerimónia do chá e demonstração de kimono, integram a programação do Street Food Festival organizado pelo Museu do Oriente no domingo, 20 de maio, das 11.00 às 19.00.

Entre as animações gratuitas a decorrer, não faltarão demonstrações de massagens tailandesas, pintura de mãos com henna e um calígrafo chinês a exemplificar a sua arte. Ao longo de todo o dia, as visitas à la minute convidam a conhecer, em apenas 15 minutos, uma peça específica do vasto espólio do Museu do Oriente. O Biombo Nambam, a estatueta de Guan Yu ou as Facas de Cordão Umbilical de Timor-Leste, são algumas das peças e histórias a desvendar, a partir das 10.45.

Integrado no programa Museu em Festa, comemorativo dos 30 anos da Fundação Oriente e 10 anos do Museu do Oriente, a entrada no Museu e actividades são gratuitas, sendo o consumo no Street Food Festival pago.

De referir que, neste dia, em virtude da realização da Corrida EDP Lisboa A Mulher e A Vida, o acesso ao Museu do Oriente estará condicionado. Das 10.00 às 12.30, o trânsito automóvel estará cortado na Rua Cintura do Porto e Av. Brasília, em ambos os sentidos.

Museu do Oriente Street Food Festival

20 de Maio

Programa 10.30 – 19.00

Logradouro e acesso pedonal do Museu

Museu | Entrada e actividades gratuitas

Street Food | Consumo pago

 Programa:

STREET FOOD | 11.00 – 19.00
LOGRADOURO LADO SUL

Participantes:

  • Coal
  • A Bucha
  • Merenda Portuguesa
  • Beijo na boca | Gelados
  • Gastronomia das Filipinas | Especialidade: churrasco típico filipino
  • Restaurante Calcutta | Cozinha indiana
  • Restaurante Novo Bonsai | Cozinha japonesa

ACESSO PEDONAL DO MUSEU
Gastronomia da Tailândia 

ACTIVIDADES
10.45 – 16.45 | VISITAS À LA MINUTE

15 minutos para conhecer uma peça [Pisos 1 e 2, Museu do Oriente]
M/16 anos | Participantes máx.20/visita

10.45-1100 | MENINO JESUS BOM PASTOR 
Goa, século XVII [Exposição Presença Portuguesa na Ásia, piso 1]

11.30 -11.45 | MODELOS DE MAQUILHAGEM
China, Pequim, ca.1972 [Exposição A Ópera Chinesa, piso 2]

12.15-12.30 | FACHADA DO EDIFÍCIO DOS ARMAZÉNS FRIGORÍFICOS DE ALCÂNTARA – MUSEU DO ORIENTE [1940]

15.00 -15.15 | FACAS DE CORDÃO UMBILICAL 
Timor-Leste (Ainaro), c. 1900 [Exposição Presença Portuguesa na Ásia, piso 1]

15.45 -16.00 | BIOMBO NAMBAN
Biombo de seis folhas, Japão, período Edo (1615-1868) [Exposição Presença Portuguesa na Ásia, piso 1]

16.30-16.45 | ESTATUETA DE GUAN YU
China, Pequim, ca.1985 [Exposição A Ópera Chinesa, piso 2]

11.00 | CONFERÊNCIA SOBRE JIKIDEN REIKI
Por José Neves [Sala Beijing]
[Participantes máx. 100]

11.30 – 12.30 | JOGOS TRADICIONAIS ORIENTAIS 
14.30 – 15.30 | JOGOS TRADICIONAIS ORIENTAIS

Participantes máx. 24/sessão [Sala SE]

14.00 – 18.00 | CERIMÓNIA DE ANIVERSÁRIO DE BUDA
[Auditório]_ 200 bilhetes disponíveis

15.00 | O PROJECTO CAMÉLIA: UM CHÁ JAPONÊS EM PORTUGAL
Em colaboração com Chá Camélia

[Sala Nova Deli]
[Participantes máx. 25]

17.30 | DEMONSTRAÇÃO DE KIMONO
Por Kimino Chiyo de Kimono PT [Sala Beijing]
[Participantes máx. 100]

EXPOSIÇÃO UM MUSEU DO OUTRO MUNDO COM PROGRAMA GRATUITO

A Exposição Um Museu do Outro Mundo, a intervenção que José de Guimarães concebeu para assinalar o 10.º aniversário do Museu do Oriente e o 30º da Fundação Oriente, dá o mote a um programa de actividades gratuito, durante o mês de Maio, que inclui uma conversa entre o artista e o público e visitas guiadas à exposição.

Na sexta-feira, 4 de Maio, às 18.30, o arquitecto Pedro Campos Costa orienta uma visita à exposição cujo espaço desenhou. A 19 de Maio, sábado, é a vez do curador Nuno Faria explicar o conceito por detrás deste diálogo entre arte popular asiática e as obras de José de Guimarães.

Esta reflexão e diálogo têm continuidade numa conversa a várias vozes, com convidados de áreas tão diversas quanto a curadoria, a antropologia e a arquitectura, que se realiza a 25 de Maio, sexta-feira, às 18.30. Entre outros, a conversa versará a transcendência e o ritual, a alteridade na arte e fora dela, cultura material e representação do outro, temas caros aos museus e ao artista, transversais à sua obra.

Composta por 150 peças – que incluem objectos da colecção Kwon On do Museu do Oriente, obras da autoria de José de Guimarães, criadas propositadamente para esta mostra, bronzes, jades e terracotas chinesas da colecção privada do artista -, “Um Museu do Outro Mundo” reflecte sobre o museu enquanto espaço de alteridade, em permanente troca e diálogo com a estranheza e a familiaridade entre a arte e a vida, o museu e o mundo. A exposição pode ser visitada até 3 de Junho.

Exposição “Um Museu do Outro Mundo”
José de Guimarães

nos 30 anos da Fundação Oriente e nos 10 anos do Museu do Oriente

VISITAS GUIADAS
Gratuito, por ordem de chegada | Máx. 25 pessoas/visita

4 Maio | Sexta | 18.30 
Com Pedro Campos Costa [arquitecto do espaço expositivo]
19 Maio | Sábado | 16.30 
Com Nuno Faria [curador da exposição]

CONVERSA
25 Maio | Sexta | 18.30 
Com José de Guimarães, Nuno Faria, Pedro Campos Costa, Nélia Dias, Guilherme d’Oliveira Martins,  Sofia Campos Lopes
Entrada livre, sujeita à capacidade da sala

BANGLADESH, CHINA E TIMOR SÃO OS PRÓXIMOS CONVIDADOS DO MUSEU DO ORIENTE

Na programação especial que assinala o 10º aniversário do Museu do Oriente e o 30º da Fundação Oriente, as tradições e os costumes do Bangladesh, da China e de Timor estarão em destaque durante o mês de Maio. Aos domingos, a entrada no museu e as actividades são gratuitas. A programação inclui ainda um street food festival, dedicado a sabores locais e asiáticos.

A 29 de Abril, o Museu do Oriente celebra com o país em destaque, o Bangladesh, a entrada no Ano Novo Bangali. Este será o fio condutor das actividades a realizar, que começam com a procissão Mangal Shovajatra ou procissão da felicidade, animada por máscaras e réplicas de animais e outros motivos auspiciosos. Outras tradições recriadas ao longo do dia incluem uma cerimónia de casamento, um desfile de trajes, uma conferência-demonstração de música e um espectáculo de dança, música e teatro. Para ver também e até 4 de Maio, uma exposição de pintura e têxteis tradicionais. Abertas à participação dos visitantes, haverá ainda uma degustação de gastronomia e uma oficina de máscaras para famílias.

A 5 e 6 de Maio, é a vez da China se dar a conhecer, com um programa onde se destaca o concerto pela Escola de Ópera de Shanghai, com duas apresentações. As actividades de domingo arrancam com uma exuberante dança do leão, que se repete ao final do dia. Inspirando relaxamento e bem-estar, terão lugar uma aula aberta de tai chi, um workshop de meditação zen, uma cerimónia de chá zen e música e uma palestra sobre o budismo. Desafiando públicos de toda as idades, não faltam oficinas para bebés e crianças, uma visita orientada ao Museu e workshops de caligrafia e arte de cortar papel.

Já o fim-de-semana de 12 e 13 de Maio é dedicado a Timor, num programa que combina aspectos da cultura tradicional e contemporânea. Para além de três exposições sobre arquitectura tradicional timorense e pintura (patentes até 27 de Maio), duas conferências sobre arquitectura e o papel da mulher na sociedade timorense dão a conhecer a realidade social e cultural do país. Por outro lado, são os mitos, lendas e ritos tradicionais que inspiram visitas temáticas, oficinas para crianças, um workshop de dança e “Nakeyir Al-Knanoik”, sessão com um contador de histórias. O dia termina com o concerto de Piki Pereira [voz] e Mintó Deus [viola].

No domingo, 20 de Maio, entre as 11.00 e as 19.00, o Museu do Oriente organiza um Street Food Festival com especialidades locais e asiáticas e actividades para toda a família, incluindo jogos tradicionais e uma demonstração de kimono.

Programação dia 29 de Abril

CELEBRAR O ANO NOVO DO BANGLADESH

29 Abril
10.00 | BOAS-VINDAS AOS CONVIDADOS E PÚBLICO SEGUNDO A TRADIÇÃO BANGALI 
[Entrada do Museu]

10.30 | INÍCIO DAS CELEBRAÇÕES COM A PROCISSÃO ‘MANGAL SHOVAJATRA’ 
Procissão da Felicidade [Da zona exterior do Museu até ao rio]

11.00 – 12.30 | COMO ELABORAR AS MÁSCARAS USADAS NA PROCISSÃO ‘MANGAL SHOVAJATRA’
Para famílias com crianças M/5 anos [Sala SE]
[Participantes máx. 20, 10 crianças + 10 adultos]

11.30 | INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO DE PINTURA E TÊXTEIS TRADICIONAIS
Patente até 4 de Maio [Lounge] 

11.30 – 12.30 | CONFERÊNCIA-DEMONSTRAÇÃO DE MÚSICA: JORNADA ATRAVÉS DA MÚSICA
Músicas tradicionais do Bangladesh [Sala Beijing]
Lotação da sala | 100 lugares

11.30 – 14.30 

  • DEMONSTRAÇÃO DE COZINHA E ARTE
  • CERIMÓNIA TRADICIONAL DE CASAMENTO E PROCISSÃO ‘GAYE HOLUD’
  • DECORAÇÃO DE MÃOS COM HENNA
  • DEMONSTRAÇÃO DE COMO USAR UM SAREE

[Salão Macau]

13.30 – 14.30 | DEGUSTAÇÃO DE ESPECIALIDADES DA COZINHA DO BANGLADESH
[Foyer]

15.00 – 15.40 | DESFILE DE TRAJES TRADICIONAIS DO BANGLADESH
[Salão Macau]

18.00 | ESPECTÁCULO DE DANÇA, MÚSICA E DRAMA TRADICIONAIS DO BANGLADESH 
[Auditório]
*Para este espectáculo serão disponibilizados 175 bilhetes.

Co-produção | Embaixada do Bangladesh

Veja toda a restante programação aqui.

FUNDAÇÃO ORIENTE E MUSEU DO ORIENTE CELEBRAM ANIVERSÁRIO COM PROGRAMAÇÃO ESPECIAL

Fundação Oriente e Museu do Oriente em Festa com actividades gratuitas de 16 de Março a 27 de Maio. Índia, Coreia, Filipinas, Tailândia, Japão, Bangladesh, China e Timor são as culturas em destaque durante a celebração do 30º aniversário da Fundação Oriente e do 10º aniversário do Museu do Oriente, que tem início a 16 de Março e se prolonga até 27 de Maio, com entrada e actividades gratuitas aos domingos.

Exposições, concertos, workshops sobre as mais variadas artes e técnicas orientais, aulas de yoga, dança tradicional e estampagem de tecidos, palestras, demonstrações e um street food festival com especialidades locais e asiáticas integram esta programação especial. Até final de Maio, haverá ainda espectáculos de grande exuberância visual como danças tradicionais da Tailândia ou a performance de tambores Taiko, pelo grupo Ondekoza do Monte Fuji, Japão. Aceda aqui à programação completa do Museu em Festa.

A programação de aniversário arranca a 16 de Março, com uma intervenção inédita de José de Guimarães no Museu do Oriente – “Um Museu do Outro Mundo – José de Guimarães nos 30 anos da Fundação Oriente e nos 10 anos do Museu do Oriente”. Composta por 150 peças – que incluem objectos da colecção Kwon On (arte popular asiática) do Museu do Oriente, obras da autoria de José de Guimarães, criadas propositadamente para esta exposição, e peças da colecção de arte chinesa do artista, esta intervenção reflecte sobre o museu enquanto espaço de alteridade, em permanente troca e diálogo com a estranheza e a familiaridade entre a arte e a vida, o museu e o mundo.

Constituída em 18 de Março de 1988, a Fundação Oriente tem como objectivos primordiais a realização e o apoio a iniciativas de carácter cultural, científico, educativo, artístico e social, sobretudo em Portugal e em Macau, e a defesa do património cultural ligado à língua e à história da presença de Portugal no Oriente, o desenvolvimento dos estudos orientais em Portugal e dos estudos internacionais sobre a presença portuguesa na Ásia.

Com delegações em Macau, na Índia e em Timor-Leste, a Fundação Oriente desenvolve também uma significativa acção na área filantrópica e um programa de bolsas de estudo de investigação, de doutoramento e de língua e cultura portuguesa e línguas e culturas orientais, promovendo ainda o ensino da língua portuguesa em Macau, Goa e Timor-Leste, e o apoio às comunidades da diáspora macaense.

A abertura do Museu do Oriente, a 8 de Maio de 2008, marcou um novo ciclo na vida da Fundação. Instalado no edifício Pedro Álvares Cabral – construído nos anos 40 do século XX – o Museu veio valorizar e reforçar as relações históricas entre Portugal e os países da Ásia. Um dos raros museus na Europa vocacionado para as relações entre as grandes civilizações do Ocidente e do Oriente, o Museu do Oriente é um espaço de encontro de culturas e civilizações através da arte, da música, da literatura, do teatro, da religião, da política e da economia.

Exposição Pray for Peace – Arte contemporânea de Portugal e Japão

É inaugurada amanhã 7 de dezembro no Museu do Oriente a partir das 18:30, a exposição Pray for Peace, numa altura em que estão passados mais de 70 anos sobre o bombardeamento atómico de Nagasaki, e numa altura em que o mundo vive nova ameaça nuclear, seis artistas portugueses e oito japoneses reúnem-se em torno da comemoração da paz, nesta exposição de arte contemporânea.

Com recurso a materiais tão diversos como porcelana, papel de seda, madeira ou metal, as obras dos artistas Mami Higuchi, Júlia Pintão, Vitor Espalda, Acácio de Carvalho, Céu Costa e João Carqueijeiro cruzam-se nesta exposição com os trabalhos dos japoneses Mana Aki, Ryuta Endo, Tomiyuki Sakuta, Sanae Yamamoto, Choichi Nishikawa, Kazushige Hamamoto, Takeo Hasegawa e Takashi Yoshida. Pray For Peace – Arte Contemporânea de Portugal e Japão” revela uma ligação inevitável entre os dois países, proporcionando um diálogo entre artistas que se influenciam reciprocamente e refletem sobre o tema da paz numa série de gravuras, xilogravuras, serigrafias e pinturas.

A exposição é complementada por um conjunto de desenhos de crianças de escolas portuguesas e japonesas, elaborados sobre a temática da paz e apresentados em formato vídeo.

Este encontro de culturas, entre Oriente e Ocidente, procura manter vivos os laços que unem Portugal e Japão – cujas relações históricas remontam a 1543 – e resulta de uma cooperação entre a Câmara Municipal do Porto, a Casa Museu Guerra Junqueiro, o Museu da Paz de Nagasaki, o Museu da Bomba Atómica de Nagasaki e a Matriz – Associação de Gravura do Porto, que têm vindo a desenvolver um importante trabalho de intercâmbio artístico.

O mundo mudou. O que foi feito em Nagasaki e Hiroshima já não é tolerado pela maioria dos países. A humanidade sofreu uma evolução. No entanto, ver as notícias revela que temos ainda um imenso caminho a percorrer. Temos que fazer com que as notícias de hoje se tornem em algo impensável amanhã, algo pertencente ao passado. Seria pretensioso pensar que este projecto é um grande passo nessa direcção, mas eu espero que muitos pequenos passos nos mantenham no bom caminho”, afirma a comissária da exposição, Mami Higuchi.

A exposição estará patente até 31 de dezembro, de terça a domingo entre as 10:00 e as 18:oo, sendo que à sexta-feira o horário se prolonga até às 22:00, com entrada gratuita a partir das 18:00. O preço dos bilhetes é de 6 €.

 

Terapias orientais para promover o bem-estar

O Museu do Oriente organiza, a partir de 22 de Abril, um conjunto de workshops que dão a conhecer terapias orientais de promoção do bem-estar geral como a massagem e a culinária ayurvédica, o feng shui e a poesia haiku.

Dividido em duas sessões, que se realizam a 22 e 29 de Abril (09.30-13.30), o workshop de massagem ayurvédica champi centra-se neste tratamento relaxante, indicado para a zona da cabeça. Os participantes vão aprender a aplicar esta massagem, reconhecendo o seu valor e poder curativo em situações de stress e ansiedade, enxaqueca, dores de cabeça ou para revitalização de todo o corpo.

Também dedicado a esta medicina tradicional indiana, o workshop de introdução à alimentação ayurveda, de 23 a 25 de Maio, ensina a reconhecer os alimentos e condimentos que equilibram e protegem da doença. A partir da identificação do seu biótipo, os participantes vão aprender a conjugar aromas, paladares e modos de confecção e, no final, terão oportunidade de confecionar uma refeição completa que será partilhada por todos.

Em Maio, durante quatro sessões (12, 19, 26 Maio e 2 Junho), o curso de introdução ao Feng Shui dá a conhecer a sua origem e teorias básicas, contemplando ainda procedimentos de aplicação prática.

o curso de introdução ao Feng Shui dá a conhecer a sua origem e teorias básicas, contemplando ainda procedimentos de aplicação prática.
O curso de introdução ao Feng Shui dá a conhecer a sua origem e teorias básicas, contemplando ainda procedimentos de aplicação prática.

“Poesia Haiku e Saúde” (18 e 25 de Maio) é o workshop que aprofunda o potencial revitalizador desta forma poética, estendendo a sensibilidade, sobriedade e elegância que a caracterizam ao universo de referência individual de cada participante. De origem japonesa, o haiku tem um enorme poder expressivo e uma íntima ligação à natureza e à filosofia Zen. Os participantes irão aprender a usá-lo como terapia contra o stress, promotora da contemplação e do equilíbrio.

De origem japonesa, o haiku tem um enorme poder expressivo e uma íntima ligação à natureza e à filosofia Zen.
De origem japonesa, o haiku tem um enorme poder expressivo e uma íntima ligação à natureza e à filosofia Zen.

Terapias orientais

 Workshop de Massagem Ayurvédica Champi

22 e 29 Abril

Horário: 09.30-13.30

Preço: € 40

Participantes: mín. 10, máx. 20

Criar Conta de Utilizador