TEATRO &
ARTE
MÚSICA &
FESTIVAIS
GASTRONOMIA
FAMÍLIA &
ENTRETENIMENTO
DESPORTO &
AVENTURA
TODOS OS
EVENTOS

PINTAR COM ESPECIARIAS? É POSSÍVEL E DIVERTIDO DIZ O MUSEU DO ORIENTE

Pintar com especiarias? É possível e divertido, diz o Museu do Oriente. Numa altura em que o Planeta Terra decidiu abrandar, é altura de o celebrar com cores e aromas, num divertido desafio criativo para toda a família: pintar com especiarias e condimentos. Esta é uma das sugestões do Museu do Oriente para esta semana, que propõe ainda a leitura de um livro, em celebração do Dia Mundial do Livro (23 de Abril), e ensina uma técnica indiana de relaxamento.

PINTAR COM ESPECIARIAS? É POSSÍVEL E DIVERTIDO DIZ O MUSEU DO ORIENTE

Apesar de terem origem no Oriente, canela, cominho, açafrão ou pimentão vermelho são algumas das especiarias e condimentos que facilmente encontramos em qualquer cozinha, para pintar com especiarias. Basta juntar-lhes um pouco de água, à proporção de uma parte de condimento ou especiaria para ¾ de água, até obter uma mistura fluída o suficiente para aplicar com pincel. Surgem assim os amarelos vivos, vermelhos e castanhos que, além da cor e da textura, vão perfumar toda a casa.

PINTAR COM ESPECIARIAS? É POSSÍVEL E DIVERTIDO DIZ O MUSEU DO ORIENTE

PINTAR COM ESPECIARIAS? É POSSÍVEL E DIVERTIDO DIZ O MUSEU DO ORIENTE

Na semana em que se assinala o Dia Mundial do Livro (23 de Abril), o Museu do Oriente sugere a leitura de “O Mandarim”. Sem nunca ter estado na China, Eça de Queiroz escreveu esta novela, publicada em 1880, que prima pela brilhante crítica de costumes e análise psicológica a que nos acostumou o autor.

“E, pelas misteriosas correlações com que o vestuário influencia o carácter, eu sentia já em mim ideias, instintos chineses: o amor dos cerimoniais meticulosos, o respeito burocrático das fórmulas, uma ponta de cepticismo letrado; e também um abjecto terror do Imperador, o ódio ao estrangeiro, o culto dos antepassados, o fanatismo da tradição, o gosto das coisas açucaradas…”

Eça de Queiroz, “O Mandarim”

A acção passa-se numa China imaginada pelo autor, cujas intensas e detalhadas descrições não estão isentas de preconceitos eurocêntricos e estereótipos exotistas. Reflexo da sociedade e cultura da época, confrontar estas ideias, hoje, é um convite também a identificar aquelas que, mais ou menos veladas, persistem até aos nossos dias.

Para ler em projectoadamastor.org/o-mandarim-eca-de-queiros/

Da Índia chega-nos uma técnica de auto-massagem, ideal para o alívio das dores de cabeça: a massagem ayurvédica Champi, um tratamento relaxante que se concentra no massajar da cabeça. Nascido no contexto geral da medicina ayurvédica, esta massagem é uma terapia segura e simples, que traz alívio a quem sofre de enxaquecas, dores de cabeça e stress, sinusite e congestão nasal, perda de cabelo e insónias, conferindo uma sensação de bem-estar geral.

A formadora de Massagem Champi do Museu do Oriente, Maria Leonor Braga, partilha os vários passos para uma prática bem-sucedida:

1 – Pouse os cotovelos numa mesa e suporte o peso da cabeça, numa das mãos. Com os dedos médio e indicador inicie a massagem, na zona das sobrancelhas, e vá massajando em direção à linha do escalpe, de baixo para cima em linhas paralelas. Realize o movimento ascendente 3 vezes e o descendente, 3 vezes também. Repita 3 vezes.

2 – Coloque as mãos sobre as têmporas e pressione com o pulso podendo também usar as palmas das mãos. Faça movimentos circulares, 6 vezes no sentido dos ponteiros do relógio e 6 no sentido inverso.

3 – Coloque os polegares na zona óssea rígida, atrás das orelhas. Aplicando uma pressão forte, pressione e solte. Repita até 10 vezes. Inspire quando pressiona e expire quando solta.

4 – Coloque uma mão na testa e a outra mão no pescoço. Gire suavemente a cabeça para um lado e para o outro. A mão colocada na base do crânio, deve pressionar suavemente essa zona. Apertar na inspiração e soltar na expiração. Repita o movimento, 5 vezes de cada lado, trocando as mãos.

O Museu do Oriente vai coligir uma galeria de imagens de trabalhos do público, por isso, quem quiser partilhar o seu, basta marcar a publicação com @museudooriente ou enviar por mensagem privada para o Museu do Oriente (os trabalhos serão identificados apenas com primeiro nome e inicial do sobrenome, ou apenas iniciais dos autores).

TASQUINHAS DE RIO MAIOR 2020 ABREM HOJE PORTAS 6 DE MARÇO

As Tasquinhas de Rio Maior 2020, o maior evento anual da cidade, que atrai todos os anos dezenas de milhares de visitantes na procura de um dos mais genuínos certames de degustação gastronómica do país, celebra este ano a sua 35ª edição, abre hoje portas, dia 6 até 15 de março.

A Feira das Tasquinhas é por excelência uma forma de reencontro com o passado. Um reencontro que nos refresca a memória e nos lembra que afinal as pizzas e os hamburguers não nasceram neste pedacinho de Europa à beira-mar plantado. Porque a gastronomia reflecte os modos de vida e a economia dos povos, aqui estão representadas 14 Freguesias do Concelho (através de colectividades), cada uma igual a si própria.

Tasquinhas típicas, decoradas de forma rústica e alusiva à história de cada freguesia e representativas do movimento associativo do concelho, são geridas por cerca de 1000 voluntários, que assumem durante todo o certame os papéis de Cozinheiros, Ajudantes de Cozinha e Empregados de Balcão, apresentando cada uma os pratos mais típicos da sua terra, do Galo Com Nozes ao Cabrito Serrano, passando pelos Caracóis da Horta, a Chanfana Serrana, a Mão de Vaca com Grão e o tradicional Bacalhau à Lapardão.

As Tasquinhas de Rio Maior são uma marca oficialmente reconhecida, classificadas como de Interesse para o Turismo Nacional e detentoras do prémio «Melhor Gastronomia 2014» atribuído pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo.

Visite Rio Maior e conheça uma das melhores feiras gastronómicas do país!

Clique aqui para saber tudo sobre as Tasquinhas de Rio Maior 2020.

ANO DO RATO CELEBRA-SE NO MUSEU DO ORIENTE COM ENTRADA GRATUITA

O Museu do Oriente dá as boas-vindas ao Ano do Rato, o novo ano lunar chinês, com entrada gratuita no sábado, dia 25 de Janeiro, e actividades programadas para toda a família, que se prologam de 24 a 26 de Janeiro.

As celebrações do Ano do Rato iniciam-se na sexta-feira, 24 de Janeiro, às 19.00, com a visita performativa “Do camarim ao palco!”. Esta viagem pelo maravilhoso mundo do espectáculo, o calor dos aplausos e o brilho das luzes mostra, na primeira pessoa, como a vida de uma actor de Ópera Chinesa se conta desde tenra idade e como, no momento em que a personagem volta a dar ao lugar ao indivíduo, assistimos à partilha de todas as memórias vividas em palco.

ANO DO RATO CELEBRA-SE NO MUSEU DO ORIENTE COM ENTRADA GRATUITA
Arte chinesa do Jianzhi, ou Recorte de Papel

 

ANO DO RATO CELEBRA-SE NO MUSEU DO ORIENTE COM ENTRADA GRATUITA
Arte chinesa do Jianzhi, ou Recorte de Papel

No sábado de manhã, a partir das 10.00, os visitantes do Museu do Oriente são convidados a aprender a arte chinesa do Jianzhi, ou Recorte de Papel, numa oficina que ensina a criar ilustrações decorativas. Com cerca de 1.500 anos de História, esta tradição é classificada pela UNESCO como Património Imaterial da Humanidade, acreditando-se ter uma função essencialmente religiosa e espiritual, sendo utilizada por ocasião das celebrações do Ano Novo para atrair a sorte.

Na China, estes festejos multiplicam-se desde a Lua Nova que marca o início do ano, até à Lua Cheia, com o Festival das Lanternas a marcar o encerramento das celebrações. A partir das 15.00, o Museu do Oriente desafia os mais novos a construírem a sua própria versão de lanterna chinesa, na oficina “Uma Festa das Lanternas”, indicada para crianças entre os 7 e os 12 anos.

A celebração musical tem início às 19.00, com o espectáculo “A Voz Lírica: Árias e Canções”, pela voz de Isabel Alcobia, acompanhada pela pianista chinesa Shao Ling. Montanha Yi Meng e Caminho da Luz Solar, as duas canções chinesas da abertura, articulam a serenidade de uma melodia montanhosa com a velocidade e energia moderna de uma canção urbana, representando um gesto de celebração ao Ano Novo Chinês.

A encerrar os festejos, no domingo, 26 de Janeiro, “Um mistério de Ano Novo!” é o que terão de resolver os participantes da visita “No Museu me oriento com quase todos os sentidos…”. Através do toque, do som, do cheiro e de todas as histórias que se vão ouvir sobre ele, miúdos e graúdos terão de adivinhar de que objecto se trata, sem o poderem ver.

Segundo a tradição chinesa, o ano que agora inicia será positivo a todos os níveis, de bonança e paz mundial, uma vez que o Rato é um animal reverenciado pelo seu raciocínio rápido e capacidade de acumular e manter objectos de valor, sendo símbolo de boa sorte e riqueza.

A entrada no Museu do Oriente é gratuita no dia 25 de Janeiro, mas as actividades programadas, pagas, requerem inscrição ou compra de bilhete.

Visita performativa “Do camarim ao palco!”

24 de Janeiro

19.00

Público-alvo: famílias com crianças M/ 5 anos [acompanhados por um adulto]
Preço: 6 €/ participante

Participantes: mín. 14, máx. 26

Workshop Jianzhi – Tradicional Arte de Recorte de Papel

25 de Janeiro

10.00-13.00

Preço: 35 €

Participantes: mín. 7, máx. 15

“Uma Festa das Lanternas”

Sábados em Oficina

25 Janeiro

Horário: 15.00-17.00
Público-alvo: 7-12 anos
Preço: 5 €/ participante

Participantes: mín. 8, máx. 15

A Voz Lírica: Árias e Canções

Ciclo Piano Forte

Recital com Isabel Alcobia (canto) e Shao Ling (piano)

25 de Janeiro

Auditório

19.00

Duração: 75’, com intervalo

Público: M/6 anos

Preço: 12 €

“No Museu me Oriento com Quase Todos os Sentidos…”

Em colaboração com Locus Acesso

26 de Janeiro

Horário: 11.00-12.00
Público-alvo: M/ 7 anos
Preço: 5 €/ participante

Participantes: mín. 15, máx. 20

HARRY POTTER: THE EXHIBITION – LISBOA RECEBE MEGA EXPOSIÇÃO

Harry Potter: The Exhibition, vai estar em exposição no Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações em Lisboa, de 16 de novembro a 08 de abril. A partir de novembro os fãs podem assim conhecer a magia por trás de milhares de trajes autênticos e adereços dos filmes de Harry Potter, em 1.500 metros quadrados de exposição, onde é possível desfrutar de ambientes dramáticos e fantásticos, inspirados e recriados nos cenários das filmagens de Hogwarts™, tais como: o Great Hall, a cabana de Hagrid e a sala comum de Gryffindor™.

Durante a visita os fãs terão a oportunidade de ver ainda, os adereços e trajes mais icónicos dos filmes de Harry Potter. São convidados a entrar na área Quidditch™ e a lançar a Quaffle, é possível puxar a Mandrágora, visitar a cabana de Hagrid e encontrar criaturas mágicas, como as Buckbeak e a aranha gigante Acromantula.

Pelo caminho é ainda possível ver objectos utilizados na saga de Harry Potter, criada por J. K. Rowling, incluindo a varinha e os óculos do Harry, trajes do baile Yule e muito mais.

Os bilhetes vão estar à venda a partir das 10h00 de sábado, dia 28 de setembro, nos locais habituais, sendo esta a primeira vez que Portugal recebe a grande exposição temática da mais famosa escola de magia do mundo.

O preço da entrada geral, durante a semana, é de 16 euros, crianças até aos 12 anos pagam 12 euros e há ainda duas modalidades para famílias: dois adultos com uma criança pagam 38 euros e dois adultos com duas crianças pagam 44 euros. Ao fim-de-semana os preços aumentam ligeiramente.

O espaço vai estar aberto de segunda a quinta-feira, entre as 10h00 e as 19h00 e de sexta-feira a domingo, entre as 10h00 e as 20h30.

A exposição Harry Potter: The Exhibition é co-produzida pela Warner Bros e a GES Events. A Lisboa, chega com produção da Everything Is New, depois de ter estado em Valência, Espanha. Estreou-se pela primeira vez em Chigado (EUA), em 2009, seguindo-se Nova Iorque, Sudney (Austrália), Tóquio (Japão), Paris (França), Bruxelas (Bélgica), Amesterdão (Holanda), Madrid (Espanha), Milão (Itália) e Berlim (Alemanha), entre outros.

O espaço vai estar aberto de segunda a quinta-feira, entre as 10h00 e as 19h00 e de sexta-feira a domingo, entre as 10h00 e as 20h30.

Saiba mais aqui.

Harry Potter: The Exhibition

MUSEU DO ORIENTE CELEBRA DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS

O Museu do Oriente, organiza um programa gratuito de actividades a 17 e 18 de Maio para celebração do Dia Internacional dos Museus sob o mote “Os museus como centros culturais: o futuro da tradição”. Haverá visitas guiadas e oficinas para toda a família, e no sábado, dia 18, a entrada no museu também é gratuita.

Através de visitas orientadas à exposição “Futuro Doméstico Primitivo”, pelo comissário João Almeida e Silva, é dado a conhecer o universo do arquitecto japonês Sou Fujimoto e o seu conceito de arquitectura inspirada na ideia de floresta. As visitas realizam-se na sexta-feira, 17 de Maio, às 18h30, e no sábado, dia 18, às 11h00 e 16h30. Às 15h00, realiza-se uma visita só para jovens dos 12 aos 15 anos.

No dia 18, às 11h30, é ao conceito de casa que se dedica a oficina para famílias “O Museu é uma casa?”, para crianças entre os 3 e os 5 anos.  Identificar os componentes e objectos da casa, os seus habitantes, os seus espaços e, partindo da casa de cada um, descobrir semelhanças e diferenças em relação a outras casas, é o desafio proposto.

Da parte da tarde, a partir das 15h30, crianças entre os 6 e os 11 anos são convidadas a participar no peddypaper “É uma casa japonesa com certeza!”. As casas de cá e de lá do Sol Nascente, a sua história, os seus materiais, as suas valências e a relação com o exterior são os aspectos a abordar nesta oficina que se propõe perspectivar os edifícios de um modo diferente.

As oficinas são gratuitas mas é necessária inscrição até 13 de Maio.

Dia Internacional dos Museus – Museu do Oriente

VISITAS ORIENTADAS

Exposição “Futuro Doméstico Primitivo” – Sou Fujimoto

com o comissário João Almeida e Silva

Gratuito 
Inscrição à chegada

17 de Maio

Horário: 18.30

Público-alvo: M/16 anos

Máx. 25 participantes/ visita

18 de Maio

Horário: 11.00 ou 16.30

Máx. 25 participantes/ visita

18 de Maio

Horário: 15h00

Público-alvo: 12-15 anos

Máx. 12 participantes

OFICINAS

18 de Maio

Gratuito, mediante inscrição até 13 Maio

“O Museu é uma casa?”

Horário: 11.30-12.30

Público-alvo: 3-5 anos, acompanhadas por um adulto

Máx. 20 participantes

Peddypaper “É uma casa japonesa com certeza!”

Horário: 15.30-16.30

Público-alvo: 6-11 anos

Máx. 12 participantes

www.museudooriente.pt

10º FESTIVAL DE TELHEIRAS COM ESTREIA DO NOVO DISCO DOS GAITEIROS DE LISBOA

2019 é ano da 10ª edição do Festival de Telheiras!
10 edições de sucessos e desafios, crescimento, muita música, dança, exposições, workshops, gastronomia, conversas e encontros. E acima de tudo, de bairro e de comunidade. 

Para começar em grande, este ano o pontapé de saída será dado com um fim-de-semana passado no jardim junto ao Metro de Telheiras, que nos dias 17 a 19 de Maio se vai encher de música, com destaque para o concerto dos Gaiteiros de Lisboa, que vão apresentar o seu novo disco Bestiário no dia 17 de Maio, às 21h00. Os comes e bebes, a feira da tralha, o espaço criança, a animação de rua e a 2ª edição do encontro “Telheiras tem Cante” são uma oportunidade única de conhecer as instituições que no dia-a-dia contribuem para tornar Telheiras um bairro tão especial.

A festa continua até 26 de Maio com atividades tão diversas como dança, holísticas, debates e cinema espalhadas pelos espaços públicos, equipamentos do bairro (Biblioteca Orlando Ribeiro,  Pólo de Telheiras de Junta de Freguesia do Lumiar) e Comércio local.

A sustentabilidade, a pegada ecológica e as alterações climáticas voltam a estar em foco, graças a várias iniciativas que a Parceria Local tem vindo a desenvolver nesta área. Durante estes dias, vamos poder encontrar uma “Telheiras Sustentável” tanto ao nível das actividades do programa, como na própria logística da organização.

Em destaque estarão também várias actividades co-criadas pela comunidade, como a actuação da “Orquestra da Calçada“, a apresentação da “Odisseia pelo Clima” e a performance teatral “Diferentes é que a gente se entende“.

Da primeira edição, organizada por um grupo de jovens apoiado pela Associação de Residentes de Telheiras durante 2 dias, à 10ª edição, organizada por mais de 10 entidades da Parceria Local de Telheiras durante 10 dias e com mais de 50 actividades, o Festival cresceu com o bairro e o bairro com o Festival. Neste tempo, vimos surgir a Parceria Local de Telheiras, organizadora do Festival e a plataforma de comunicação Viver Telheiras. O Festival deu ainda a conhecer ao bairro e à cidade de Lisboa o que de melhor temos para oferecer.

Mas ao fim de 10 edições, há coisas que não mudam: este evento continua a ser único no panorama lisboeta, pela forma comunitária da organização, o envolvimento de dezenas de parceiros locais, a filosofia de reforço do sentimento de bairro e da sua identidade, e o equilíbrio e pluralidade das actividades que oferece. Porque o Festival de Telheiras é muito mais que um Festival!

De 17 a 26 de Maio, faça parte desta festa e venha descobrir porque é que o Festival de Telheiras é muito mais que um Festival!

INSCREVA-SE GRATUITAMENTE NO FAMÍLIA FIT

Inscreva-se gratuitamente no Família Fit 2019, um evento de cariz desportivo que promete a interação social de pais e filhos e a prática de exercício físico entre famílias. Organizado por estudantes do curso de Gestão do Lazer e Animação Turística, da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, vai realizar-se no Centro Desportivo Nacional do Jamor, no próximo dia 11 de maio, sábado entre as 10 e as 13 horas.

O objetivo deste evento é o de proporcionar programas em família, não só para consciencialização e promoção do exercício e práticas de atividades físicas e de bem-estar, mas também para que a interação social entre crianças e adultos seja uma realidade. Destina-se assim, a famílias que procurem uma vida mais ativa que beneficie a sua saúde, através da prática de exercício físico.

Passe uma manhã de sábado divertida com os seus filhos. Não perca tempo porque as inscrições estão a encerrar, e os lugares são limitados.

O Família Fit 2019, dará aos seus participantes a oportunidade de explorarem um evento dinâmico e participativo, desde a prática de Bodystep e Escalada, a Insufláveis para crianças, assim como uma manhã de convívio com música e diversão.

Estão disponíveis os bilhetes gratuitos para acesso ao evento, limitado a 200 participantes, que obrigam porém a registo aqui.


FEIRA DA FODA ESTÁ DE VOLTA A PIAS – MONÇÃO

A III Edição da Feira da Foda, vai decorrer nos dias 29, 30 e 31 de Março em Pias – Monção, este ano no campo de futebol da freguesia, atendendo aos milhares de visitantes que este evento vem registando de ano para ano.

A feira de «nome ousado e sabor autêntico», como a descreve o município de Monção, está de regresso com um programa de degustação do cordeiro à moda de Monção, conhecido como «Foda à Monção». Trata-se de um prato de cordeiro feito em forno a lenha que se tornou, «desde há vários anos, uma referência na gastronomia monçanense», e que deve o seu nome peculiar a uma tradição antiga da população.

Saiba tudo sobre este evento clicando aqui.

A imagem pode conter: texto

Criar Conta de Utilizador