TEATRO &
ARTE
MÚSICA &
FESTIVAIS
GASTRONOMIA
FAMÍLIA &
ENTRETENIMENTO
DESPORTO &
AVENTURA
TODOS OS
EVENTOS

JAZZ IM GOETHE-GARTEN (JiGG) CELEBRA 15 ANOS

Em 2019 o Jazz im Goethe-Garten (JiGG) celebra o seu 15º aniversário. De 3 a 12 de julho, o JiGG 2019 traz seis concertos seletivos cujos autores-músicos se têm destacado numa realidade sem dúvida mais alternativa de um jazz da Europa cada vez mais diversificado.

À música programada pelo diretor artístico do festival, Rui Neves, junta-se a beleza de um final de tarde de verão no acolhedor jardim do Goethe-Institut de Lisboa e algumas iguarias típicas da Alemanha, servidas no restaurante do jardim.

A 15.ª edição do JiGG traz quatro estreias a Portugal e abre a 3 de julho com a primeira, o quarteto português CAT IN A BAG, grupo que sucede ao celebrado sexteto SLOW IS POSSIBLE. A 12 de julho, no encerramento, o projeto PHILM do saxofonista Philipp Gropper desvela uma nova e mais que promissora geração do jazz da Alemanha.

Entre estas duas balizas desenrolam-se propostas muito variadas em dueto, trio e quarteto, confirmando o JiGG como uma oportunidade para sentir o pulsar de criatividade em vários estádios da produção de jazz europeia.

O guitarrista Dave Gisler, da Suíça, no seu trio, estreia em Portugal uma forma sonhadora de erupções e contrastes (4 de julho), enquanto o clarinetista Vincent Pongracz, da Áustria, no seu quarteto SYNESTHETIC 4, assume a provocação com um hip hop de natureza local nesta sua primeira apresentação ao público português, a 5 de julho.

A 10 de julho, o dueto do saxofonista Albert Cirera e do baterista João Lencastre, sob os auspícios da manipulação eletrónica, consubstancia um feliz encontro ibérico e, no dia seguinte, o GHOST TRIO representa o poder da música improvisada atualmente feita em Itália e pela primeira vez num palco em Portugal.

A música do JiGG é música de palco onde toda a verdade se manifesta, num evento que convoca a capacidade de fazer parcerias na Europa graças ao papel desempenhado pelo Goethe-Institut de Lisboa como produtor do evento e pelas entidades parceiras do JiGG 2019: as Embaixadas da Áustria e da Suíça, o Instituto Cervantes e o Instituto Italiano di Cultura.

Os concertos do JiGG têm sempre início às 19h e o preço do bilhete é de 5 € (alunos do Goethe-Institut, reformados e estudantes 3€).

ARRÁBIDA SINFÓNICA ESTÁ DE REGRESSO A GAIA

O Arrábida Sinfónica está de regresso em Junho com uma grande homenagem a um dos géneros musicais mais variados e contagiantes do universo musical: o jazz. A 4ª edição deste concerto sinfónico, que é já uma referência musical “fora” da Casa, volta a juntar a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, a Fundação Casa da Música e o ArrábidaShopping num evento com entrada livre, no dia 22 de Junho, às 22H00, na Praceta Exterior Norte do ArrábidaShopping.

À semelhança das edições anteriores, a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música sobe ao palco montado na Praceta Exterior Norte do ArrábidaShopping, para apresentar, este ano, um concerto com a direcção musical do maestro inglês Martin André, com sonoridades do jazz na visão de alguns dos mais reputados compositores clássicos. O programa do concerto convida a uma “viagem musical” que começa com os ritmos exóticos e dançantes da Abertura Cubana de Gershwin passando pelos grandes sucessos da música popular brasileira na rapsódia O boi no telhado de Milhaud até à versão bem extrovertida de Chostakovitch e o seu olhar divertido e distante sobre o jazz norte-americano, com Suite de Jazz nº 2.
“Este é um grande concerto sinfónico que Vila Nova de Gaia pretende, em conjunto com os parceiros Fundação Casa da Música e ArrábidaShopping, oferecer à cidade”, afirma a Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Paula Carvalhal.

Para Paulo Valentim, director do ArrábidaShopping, “a realização da 4ª edição do Arrábida Sinfónica afirma por um lado o êxito desta iniciativa que ano após ano tem registado um aumento de público que enche a praceta ao ar livre para uma noite animada de música e de festa, e por outro reitera a aposta do ArrábidaShopping na oferta de uma programação cultural diversificada, abrangente e enriquecedora.”

“A Fundação Casa da Música, no âmbito do programa Verão na Casa, prossegue a aposta na oferta alargada de grandes concertos de música sinfónica em espaço público e de acesso livre, sendo o Arrábida Sinfónica, um dos marcos desse programa”, como refere Paulo Sarmento e Cunha, director geral da Fundação Casa da Música.

Integrado na programação das festas de Vila Nova de Gaia e do Verão na Casa, da Casa da Música, o concerto realiza-se, anualmente, desde 2016, levando a música sinfónica a novos espaços e a novos públicos.

Martin André

 Martin André, Maestro inglês, iniciou a sua carreira internacional em 1986, com a estreia norte-americana de Da Casa dos Mortos de Janáček para a Ópera de Vancouver e tem trabalhado regularmente em países como Áustria, Canadá, República Checa, Dinamarca, Alemanha, Holanda, Israel, Itália, Nova Zelândia, Portugal, África do Sul e EUA. No domínio da música sinfónica, o seu repertório é extenso e variado, destacando-se particularmente as obras de Mozart, Nielsen, Chostakovitch, que traz ao Arrábida Sinfónica 2019, e Tchaikovski. Tem tido colaborações especialmente duradouras com a Sinfónica de Limburgo, a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música e o Collegium Musicum Bergen.

A ligação de Martin André a Portugal é longa e duradoura. Em 2006, fundou a orquestra portuguesa de jovens Momentum Perpetuum, que dirigiu durante cinco anos e com a qual fez uma digressão em Itália. Entre 2010 e 2013, foi Director Artístico do Teatro Nacional de São Carlos em Lisboa. Foi também Director Executivo de duas das maiores instituições artísticas portuguesas: a Ópera Nacional e a Orquestra Sinfónica Portuguesa. Entre as produções que dirigiu, destaca-se uma trilogia de La traviataIl trovatore e Rigoletto para comemorar o Bicentenário de Verdi em 2013. Com a Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigiu a integral das Sinfonias de Mozart e outras grandes obras sinfónicas e corais.

Em 2017 regressou ao Teatro de São Carlos como maestro de ópera. Prosseguiu a sua longa relação com a Opera North, dirigindo L’enfant et les sortilèges (Ravel) e Osud (Janáček), dois projectos muitos aplaudidos pelo público e a crítica, dando continuidade ao forte vínculo que tem com o compositor checo. No Royal Northern College, em Manchester, dirigiu Cendrillon de Massenet. Em 2018 dirigiu inúmeras obras importantes do repertório sinfónico e as óperas A Viúva Alegre (Lehár), Suor Angelica e Gianni Schicchi (Puccini). Em Junho de 2019 volta a dirigir a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, na 4ª edição do Arrábida Sinfónica.

Sobre a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música

A Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música foi fundada em 1947, ano em que foi constituída a Orquestra Sinfónica do Conservatório de Música do Porto, que, desde então, passou por diversas designações. Engloba um número permanente de 94 instrumentistas, o que lhe permite executar todo o repertório sinfónico desde o Classicismo ao Século XXI. É parte integrante da Fundação Casa da Música desde Julho de 2006.

A Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música tem trabalhado com reputados maestros, solistas e compositores. Nas últimas temporadas, apresentou­-se nas mais prestigiadas salas de concerto de Viena, Estrasburgo, Luxemburgo, Antuérpia, Roterdão, Valladolid, Madrid e no Brasil, e é regularmente convidada a tocar em Santiago de Compostela e no Auditório Gulbenkian.

4ª edição Arrábida Sinfónica 2019

22 de Junho, às 22H00

Praceta Exterior Norte

ArrábidaShopping

Entrada livre

GRANDES CONCERTOS DO CASINO ESTÃO DE VOLTA!

Os Grandes Concertos do Casino Estoril estão de volta! No ano em que o Casino Estoril celebra o 20º aniversário do emblemático ciclo de Grandes Concertos, a edição deste ano conta com um notável cartaz que promete conquistar os seus visitantes, de 20 de Junho a 8 de Agosto,  a partir das 23 horas, no Lounge D, com entrada livre.

Com um genuíno ambiente festivo, o ciclo de Grandes Concertos registou, desde o seu início, uma expressiva afluência de público, distinguindo-se, ano após ano, por promover a melhor música portuguesa.

O Casino Estoril ofereceu, nas duas últimas décadas, um total de 224 concertos protagonizados por um excepcional elenco de artistas. Predominaram os intérpretes portugueses, tendo, pontualmente, alguns artistas internacionais integrado também este emblemático ciclo musical que se tornou uma referência dos espectáculos agendados durante o Verão em Portugal.

Referência obrigatória na música pop produzida em Portugal nas últimas décadas, Paulo Gonzo inicia, a 20 de Junho, o programa deste ano. Após ter inaugurado, há 20 anos, o ciclo de Grandes Concertos do Casino Estoril, o artista regressa ao Lounge D para recuperar os melhores sucessos da sua carreira.

Paulo Gonzo coleciona êxitos em português e nunca abdicou de mostrar como é um devoto incondicional da soul e do blues. O seu talento e sucesso como cantor, compositor e intérprete fazem deste músico (que já vendeu mais 500.000 álbuns até à data), um dos mais conceituados artistas portugueses da actualidade.

O programa dos  Grandes Concertos é o seguinte:

– 20 de Junho: Paulo Gonzo

– 27 de Junho: Tiago Bettencourt

 – 04 de Julho: David Fonseca

– 11 de Julho: HMB

– 18 de Julho: Pedro Abrunhosa

– 25 de Julho: Capitão Fausto

– 01 de Agosto: Miguel Araújo

– 08 de Agosto: Mariza

O acesso ao Casino Lisboa é livre, sendo que a partir das 22 horas, é para maiores de 14 anos, e maiores de 10 anos acompanhados pelos pais. Nas áreas de Jogo é para maiores de 18 anos.

20 anos Grandes Concertos do Casino Estoril

Promovemos e apoiamos a música portuguesa há 20 anos. Faça parte da nossa história!

Publicado por Casino Estoril em Segunda-feira, 3 de junho de 2019

FESTAS DE LISBOA 2019 COMEÇAM JÁ NO DIA 1 DE JUNHO

As Festas de Lisboa 2019 arrancam sábado com um grandioso espetáculo de funambulismo.

É já este fim de semana que abrem oficialmente as Festas de Lisboa 2019 e este ano com uma subida literalmente aos ares com um grande espetáculo de funambulismo que irá fixar todos os olhares nos céus.

Linhas Voadoras é o nome do espetáculo de arte circense, baseado no exercício de equilibrismo sobre uma corda, que vai abrir as Festas no dia 1, sábado, a partir das 19h30.

Na Alameda D. Afonso Henriques, Tatiana-Mosio Bongonga, uma das poucas mulheres a atuar a esta altitude, irá percorrer uma corda bamba, a 33 metros do chão. O trajeto aéreo, em direção à Fonte Luminosa, será acompanhado por música interpretada ao vivo por músicos da Banda da Armada e elementos da companhia Basinga que a artista fundou em 2014.

Na primeira semana das Festas, há muito mais para ver, ouvir e desfrutar em Lisboa, ao ar livre e nos espaços culturais da EGEAC, através de propostas artísticas variadas e de entrada gratuita para todas as idades, não esquecendo os mais novos porque afinal, sábado, é o Dia Mundial da Criança.

Assim, outra paragem obrigatória durante o fim de semana será o teatro LU.CA – teatro para crianças e jovens – que celebra o seu primeiro aniversário com várias atividades livres.

Consulte aqui todo o programa das Festas de Lisboa 2019.

MUSEU NACIONAL FERROVIÁRIO ASSINALA O IV ANIVERSÁRIO E O DIA INTERNACIONAL E NOITE DOS MUSEUS

O Museu Nacional Ferroviário assinala, no dia 18 de maio, o IV Aniversário e o Dia Internacional e Noite dos Museus, com debates,  música, visitas temáticas e o regresso de peças icónicas à exposição permanente.   

Iniciativa anualmente promovida pelo ICOM – International Council of Museums e, em Portugal, pela Direção-Geral do Património Cultural, a edição de 2019 do Dia Internacional dos Museus tem como tema “Os Museus como Plataformas Culturais: O Futuro da Tradição”. Este procura focar o papel dos Museus como espaços culturais que se podem reinventar “com o objetivo de se tornarem mais interativos, focados nos diferentes públicos, orientados para as comunidades, flexíveis e adaptáveis”.

Desta forma, “partindo das suas  missões essenciais – colecionar, conservar, comunicar, investigar e divulgar as suas coleções – os museus têm o poder de estabelecer o diálogo e construir pontes, abordando temas e preocupações centrais da sociedade atual e assim contribuindo para a definiição de futuro sustentável”.

Neste contexto, o Museu Nacional Ferroviário promove uma programação especial de entrada gratuita entre as 10h00 e as 21h30.

Esta incluirá às 15h00, uma conversa sobre as diferentes profissões na ferrovia, contando com a presença de ferroviários de diferentes áreas e entidades do setor, num ambiente informal de debate e partilha.

Às 16h00 haverá mais uma edição da visita temática “A Bordo”, na qual poderá descobrir alguns dos detalhes e segredos de locomotivas, carruagens e salões emblemáticos da coleção do Museu. A participação é gratuita, limitada aos primeiros 20 participantes inscritos. No dia em que o Locotrator Drewry CP 1002 regressa à exposição permanente após a intervenção de restauro, o Museu Ferroviário convidamo-lo a conhecer mais sobre este  projeto às 16h30 numa apresentação que abordará os bastidores de todo o processo.

Entre as 14h00 e as 16h00, poderá ainda acompanhar mais uma sessão de restauro da Automotora Nohab 0111, um projeto desenvolvido em parceria com a APAC – Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos de Ferro. Poderá marcar a sua visita na receção do Museu ou através dos contactos habituais.

O dia termina às 21h30 com um concerto do grupo “Discantus Projeto” , projecto musical fundado pelos guitarristas e compositores Carlos Sanches e Leopoldo Gouveia. Através dos seus percursos e influências musicais exploram-se texturas musicais de tradição portuguesa, harmonias universais e improvisações em palco. A inspiração vem do contributo das diversas linguagens musicais que os influencia.

Durante todo o dia, estarão igualmente em funcionamento os quadriciclos e o mini-comboio, entre as 10h00 e as 13h00 e as 14h.00 e as 18h.00.

Esta programação conta com o apoio do Município do Entroncamento, da CP-Comboios de Portugal, da Infraestruturas de Portugal, da Medway e da APAC.

A VEZ DE PEDRO BURMESTER NO CICLO DE PIANO DE MATOSINHOS


Pedro Burmester interpretará no sábado, 18 de maio, no terceiro recital do ciclo de piano do programa Música em Matosinhos, obras de Fréderic Chopin, que o compositor escreveu, quando em 1838, em pleno inverno, para fugir ao clima húmido de Paris, viajou para a ilha de Maiorca com a escritora George Sand, com a qual mantinha um romance. Foi durante essa estada em Valldemossa que o compositor criou a maior parte dos “24 Preludes, op.28”.

Com início às 19 horas, na sala-estúdio da Orquestra Jazz de Matosinhos (Avenida Menéres, 456), o concerto é de entrada gratuita.

Considerado um dos membros da restrita elite mundial do piano, Pedro Burmester dará vida e emoção a um conjunto de pequenas peças provavelmente inspiradas pelo “Cravo Bem Temperado” de Bach, do qual Chopin levou uma cópia manuscrita para Maiorca. Consideradas por Liszt como composições de uma ordem completamente diferente, “poética”, “semelhantes às escritas pelos grandes poetas contemporâneos, que embalam a alma em sonhos dourados”, os 24 prelúdios constituíram, à época, um desafio da ordem musical vigente e ao preconceito então existente relativamente às formas musicais mais breves.

Antes da interpretação integral dos prelúdios (o próprio Chopin nunca tocou mais de quatro peças de uma só vez nas suas aparições públicas), a primeira parte do recital vai ser preenchida pela “Sonata nº3” de Fernando Lopes-Graça. Vencedora, em 1952, do primeiro prémio de composição do Círculo de Cultura Musical (que Lopes-Graça ganhou por quatro vezes), a “Sonata nº3” é tributária de um período que o compositor dedicou ao estudo e valorização da música tradicional portuguesa, sendo presença regular nos mais recentes concertos de Pedro Burmester.

O ciclo de piano do programa Música em Matosinhos vai, recorde-se, decorrer até 29 de junho, reunindo nomes como os de Mário Laginha, Fausto Neves, Artur Pizarro, Luís Pipa, Marta Meneses ou Vasco Dantas. A Música em Matosinhos, programa de música erudita da CMM, acontece há mais de uma década e inclui este ano, entre outros, um conjunto de recitais também gratuitos do Quarteto de Cordas de Matosinhos nas igrejas do concelho, com o objetivo de descentralizar e democratizar o acesso e a fruição da música clássica.

10º FESTIVAL DE TELHEIRAS COM ESTREIA DO NOVO DISCO DOS GAITEIROS DE LISBOA

2019 é ano da 10ª edição do Festival de Telheiras!
10 edições de sucessos e desafios, crescimento, muita música, dança, exposições, workshops, gastronomia, conversas e encontros. E acima de tudo, de bairro e de comunidade. 

Para começar em grande, este ano o pontapé de saída será dado com um fim-de-semana passado no jardim junto ao Metro de Telheiras, que nos dias 17 a 19 de Maio se vai encher de música, com destaque para o concerto dos Gaiteiros de Lisboa, que vão apresentar o seu novo disco Bestiário no dia 17 de Maio, às 21h00. Os comes e bebes, a feira da tralha, o espaço criança, a animação de rua e a 2ª edição do encontro “Telheiras tem Cante” são uma oportunidade única de conhecer as instituições que no dia-a-dia contribuem para tornar Telheiras um bairro tão especial.

A festa continua até 26 de Maio com atividades tão diversas como dança, holísticas, debates e cinema espalhadas pelos espaços públicos, equipamentos do bairro (Biblioteca Orlando Ribeiro,  Pólo de Telheiras de Junta de Freguesia do Lumiar) e Comércio local.

A sustentabilidade, a pegada ecológica e as alterações climáticas voltam a estar em foco, graças a várias iniciativas que a Parceria Local tem vindo a desenvolver nesta área. Durante estes dias, vamos poder encontrar uma “Telheiras Sustentável” tanto ao nível das actividades do programa, como na própria logística da organização.

Em destaque estarão também várias actividades co-criadas pela comunidade, como a actuação da “Orquestra da Calçada“, a apresentação da “Odisseia pelo Clima” e a performance teatral “Diferentes é que a gente se entende“.

Da primeira edição, organizada por um grupo de jovens apoiado pela Associação de Residentes de Telheiras durante 2 dias, à 10ª edição, organizada por mais de 10 entidades da Parceria Local de Telheiras durante 10 dias e com mais de 50 actividades, o Festival cresceu com o bairro e o bairro com o Festival. Neste tempo, vimos surgir a Parceria Local de Telheiras, organizadora do Festival e a plataforma de comunicação Viver Telheiras. O Festival deu ainda a conhecer ao bairro e à cidade de Lisboa o que de melhor temos para oferecer.

Mas ao fim de 10 edições, há coisas que não mudam: este evento continua a ser único no panorama lisboeta, pela forma comunitária da organização, o envolvimento de dezenas de parceiros locais, a filosofia de reforço do sentimento de bairro e da sua identidade, e o equilíbrio e pluralidade das actividades que oferece. Porque o Festival de Telheiras é muito mais que um Festival!

De 17 a 26 de Maio, faça parte desta festa e venha descobrir porque é que o Festival de Telheiras é muito mais que um Festival!

FEIRA DE MARÇO ESTÁ DE REGRESSO A AVEIRO

A Feira de Março 2019 realiza-se entre os dias 23 de março e 25 de abril, no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro. Um mês de pura animação para os fãs da gastronomia, da adrenalina e da música, num dos principais parques de diversão do país.

O programa da Feira de Março 2019 é muito intenso e diversificado, integrando um animado parque de diversões, uma renovada tenda da música onde os dez Concertos principais vão acontecer, com propostas dirigidas a todos os públicos, mas também é artesanato, Ovos Moles, Farturas, gastronomia rica e muito mais.

Fazem parte do cartaz musical, Os Quatro e Meia, Paulo de Carvalho, Xutos & Pontapés, Anselmo Ralph, RFM Dancefloor – Rich & Mendes, Piruka, Lucas Lucco, Blaya, Olavo Bilac, Jimmy P e Toy.

Saiba tudo sobre este evento aqui.

Publicado por Feira de Março em Segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Criar Conta de Utilizador