TEATRO &
ARTE
MÚSICA &
FESTIVAIS
GASTRONOMIA
FAMÍLIA &
ENTRETENIMENTO
DESPORTO &
AVENTURA
TODOS OS
EVENTOS

KINO – MOSTRA DE CINEMA DE EXPRESSÃO ALEMÃ ABRE COM LARA DE JAN-OLE GERSTER

A KINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã, abre a sua 17ªedição, com Lara, de Jan-Ole Gerster e vai decorrer no Cinema São Jorge, em Lisboa, entre 29 de janeiro e 5 de fevereiro.

A edição de 2020 da KINO, organizada pelo Goethe-Institut Portugal, apresenta, na sessão de encerramento, Das Vorspiel, de Ina Weisse, e Ulrich Köhler é o cineasta homenageado este ano na secção Foco, com a apresentação de todas as suas longas-metragens, incluindo a mais recente Das freiwillige Jahr, em estreia nacional.

Segunda longa-metragem de Jan Ole Gerster – que se estreou na realização em 2013 com Oh Boy, com grande sucesso de público e crítica -, Lara (brilhantemente retratada por Corinna Harfouch) é uma mulher solitária e amargurada, temida e pouco amada, inclusive por ela própria. Partilha o talento artístico e uma pouco sã rivalidade com o filho que, precisamente no dia em que Lara celebra 60 anos, dá um concerto-chave para a sua carreira de pianista e compositor.

A KINO - Mostra de Cinema de Expressão Alemã, abre a sua 17ªedição, com Lara, de Jan-Ole Gerster e vai decorrer no Cinema São Jorge, em Lisboa, entre 29 de janeiro e 5 de fevereiro. 
Lara © Frank Griebe, Schiwago Film

O filme de encerramento, Das Vorspiel, ecoa alguns dos temas do filme de abertura, Lara — a artista promissora que, por alguma razão, acabou por não ter a carreira musical que o talento fazia prever e cuja frustração coloca em risco as relações familiares – mas dando-lhes um tratamento distinto.

Ina Weisse coloca a tónica de Das Vorspiel no estudo meticuloso de uma personagem cujas inseguranças e perfeccionismo obsessivo se manifestam tanto nos mais pequenos detalhes da sua vida quotidiana, como nos gestos obsessivos que caracterizam os seus métodos docentes (Anna — uma soberba Nina Hoss — é professora de violino numa escola secundária especializada no ensino de música), bloqueando-a profissional e emocionalmente.

A KINO - Mostra de Cinema de Expressão Alemã, abre a sua 17ªedição, com Lara, de Jan-Ole Gerster e vai decorrer no Cinema São Jorge, em Lisboa, entre 29 de janeiro e 5 de fevereiro. 
Das Vorspiel, Ina Weisse © Judith-Kaufmann Lupa-Film

A secção Foco da 17.ª edição daKINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã dá a conhecer a obra completa de um dos mais destacados nomes da chamada Escola de Berlim, Ulrich Köhler, incluindo o seu filme mais recente, Das freiwillige Jahr, estreado no Festival de Locarno e que abre a secção.

Tal como o filme de abertura, Lara, também a mais recente obra de Köhler aborda a questão das ambições de um pai para com a sua filha e as consequências que isto tem para a relação entre ambos.

Köhler pertence a uma geração que deu nova vida ao cinema alemão, após quase uma década de estagnação nos anos noventa; o grupo, reunindo cineastas de estilos, formações e proveniências diversas, como Maren Ade, Christian Petzold, Angela Schanelec ou Valeska Grisebach, ficou conhecido pela crítica alemã como Escola de Berlim.

As personagens de Köhler são frequentemente desprovidas de propósito, buscam um lugar no mundo e, ao mesmo tempo, procuram romper com o quotidiano ordenado de uma sociedade capitalista que, meio século após o fim da Segunda Guerra Mundial, parece satisfeita com o seu conforto.

Desde a sua primeira longa-metragem (Bungalow, 2002) que o cinema de Köhler foi caracterizado como “incursão da realidade no cinema alemão”; o seu segundo filme, Montag kommen die Fenster (2006), tal como Bungalow volta a ser apresentado numa das secções paralelas da Berlinale. Com Schlafkrankheit (2011), Köhler faz a sua entrada na competição de Berlim, vencendo o Urso de Prata para a melhor Realização. In my Room, estreado na secção Un certain regard no Festival de Cannes 2018, é o primeiro filme com estreia em sala em Portugal.

Entre ficção e documentário, a 17.ª edição da KINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã exibe alguns dos filmes da Alemanha, Áustria, Suíça e Luxemburgo que mais se destacaram no último ano, dos quais oito são primeiras obras.

A seleção, assegurada por Corinna Lawrenz, responsável pela programação de cinema do Goethe-Institut de Lisboa, e por Carlos Nogueira, curador e crítico, além de procurar acompanhar o desenvolvimento das mais recentes tendências cinematográficas, não descura um olhar crítico sobre as questões sociais e políticas atuais.

As três secções – Visões, Perspectivas e Foco -, dão destaque às várias facetas que compõem a produção cinematográfica, desde as novidades mais aguardadas a obras de carácter mais experimental e estreias de jovens cineastas.

Com o objetivo de reforçar a KINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã como uma plataforma para o cinema jovem, a edição de 2020 introduz um modelo de encontros informais entre jovens cineastas alemães e portugueses.

Ainda como forma de celebrar e apoiar este cinema emergente, a mostra criou, em 2019, e em parceria com a Oficina Nacional Alemã de Turismo, um Prémio do Público, no qual participam os primeiros filmes exibidos, e que tem este ano a sua segunda edição.

Esta 17.ª edição apresenta também uma sessão para famílias e promove um encontro de programadores com o objetivo de criar um programa itinerante em parceria com promotores locais, chegando assim a um público mais amplo um pouco por todo o país.

KINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã é organizada em parceria com as embaixadas da Áustria, Suíça e Luxemburgo.

KINO - MOSTRA DE CINEMA DE EXPRESSÃO ALEMÃ ABRE COM LARA DE JAN-OLE GERSTER

ARQUITETURAS FILM FESTIVAL INSTALA-SE NO CINEMA SÃO JORGE EM LISBOA

O Arquiteturas Film Festival (AFF) está quase de regresso à cidade de Lisboa e já tem datas marcadas para o encontro.  Entre 4 e 9 de junho, a 7º edição instala-se de armas e bagagens no Cinema São Jorge e traz para o debate o tema Human Nature. Ao longo de seis dias, a programação de 2019 traz na mala 62 filmes – 90 por cento estreias portuguesas e algumas mundiais;  haverá ainda várias atividades paralelas – workshop, masterclass, atelier para crianças, visita guiada, encontros de coletivos e muito mais.

Como já é tradição, antes do arranque o Arquiteturas apresenta a programação com um warm-up. Este ano será duplo, no dia 28 de Maio no bar o Bom, o Mau e o Vilão como convidado especial do Shortcutz Lisboa, onde serão exibidas duas curtas-metragens que fazem parte do programa deste ano; e no dia 30, em parceria com a Roca Lisboa Gallery, com a presença do curador do festival André Costa, a diretora Sofia Mourato, o realizador Duarte Natário e a arquiteta Daniela Silva.

O festival arranca com o premiado Melting Souls, de François Xavier Destors. Um documentário sobre Norilsk, uma “cidade de ficção científica” acima do Círculo Polar Ártico – uma paisagem industrial infernal numa tundra que, de outra forma, seria estéril.

Entre as novidades desta edição está o júri do Arquiteturas 2019. A arquiteta Ana Tostões, Presidente do DOCOMOMO Internacional, o geógrafo Álvaro Domingues, a arquiteta Isabel Barbas, o realizador Gerrit Messiaen, a artista e realizadora Petra Noordkamp e o arquiteto Tiago Oliveira, em representação da Secção regional Sul da Ordem dos Arquitectos (OASRS), aceitaram a missão de avaliar 55 obras de 26 países em quatro categorias: Ficção, Documentário, Experimental e Novos Talentos. A programação completa será divulgada em breve.

Pensado conceptualmente como uma problematização ampla da relação entre o ser humano e a natureza, o tema que este ano está em cima da mesa pretende ultrapassar discussões sobre arquitetura e sustentabilidade para tratar as questões mais urgentes sobre o espaço transformado, e ameaçado, pela ação humana, e também os desdobramentos dessa ação sobre a existência do homem. 

Exemplo inevitável quando se fala de construção de um território resultado da intervenção humana, a Holanda foi eleita como país homenageado desta edição com uma programação transversal que conta com o alto patrocínio da Embaixada da Holanda em Lisboa e curadoria de Mélanie van der Hoorn.

Entre inúmeras outras atividades, vai decorrer um workshop do coletivo holandês Failed Architecture, conhecido pelos seus casos de estudo sobre os falhanços do modernismo e o crescimento urbano das cidades, em conjunto com a realizadora Petra Noordkamp, duas vezes premiada pelo melhor filme no Arquiteturas. O workshop consiste numa investigação e recolha audiovisual sobre a atual situação da praça Martim Moniz, em Lisboa, culminando em ensaios cinematográficos dos participantes.

A programação holandesa conta ainda com uma masterclass sobre filmes de arquivo de arquitetura com Melanie van der Hoorn, autora do livro Spots in Shots: Narrating the built environment in short films, em conjunto com Tiago Batista, diretor do ANIM e João Rosmaninho da Universidade do Minho; com a presença de dois ateliers de arquitetura premiados pelas suas práticas com características sustentáveis, o atelier Bureau Sla e o atelier Space & Matter.

Portugal será representado por Russa, de João Salaviza e Ricardo Alves Jr., sobre a memória coletiva e as transformações recentes da cidade do Porto; Civitas, de André Sarmento, e Alis Ubbo, de Paulo Abreu, ambos sobre o processo de “turistificação” em Lisboa. A ficção Lá vem Dia, de Mercês Tomaz Gomes, trata da relação entre o morar contemporâneo e as relações afetivas. Esta edição traz ainda a estreia da curta de animação portuguesa O atelier do meu avô, do arquiteto Tiago Galo, em exibição no atelier para crianças do festival, e o recém-estreado filme Tudo é Paisagem que retrata a história da arquitetura paisagística em Portugal.

Também em foco nesta edição vão estar o cineasta Andrzej Wajda e sua paixão pela arquitetura, a inevitável Bauhaus que este ano completa 100 anos de existência e os movimentos  radicais italianos de design e arquitetura das década de 60 e 70 como são os casos dos UFO, Archizoom e os Superstudio. O arquivo do grande mestre mexicano Luis Barragán é tema do filme The Proposal. O famoso projeto de habitação social em Milão, o Gallaratese, de Aldo Rossi, é tema do filme Monte Amiata, e a obra símbolo do modernismo na Inglaterra, dos icónicos arquitetos Alison e Peter Smithson, é retratada em The Disappearance of Robin Hood.

Em parceria com a RTP vão ser exibidos no AFF três episódios de Atelier d’Arquitetura, série documental que percorre edifícios, estruturas, conceitos, peças, casas ou museus que mais se destacam no território nacional e que começou a ser transmitida recentemente pela estação pública. Os realizadores da série estarão presentes para uma discussão com o público.

Os sponsors desta edição estão em foco através do apoio a sessões dedicadas a temas que lhes são próximos – o Portal da Construção Sustentável vai, enquanto sponsor principal, realizar um evento de apresentação e discussão para profissionais do setor interessados em processos e produtos sustentáveis. A ROCA e a Water Foundation patrocinam a sessão de filmes sobre o esgotamento de recursos naturais dos rios na África do Sul e Quénia; o RSGrupo patrocina a sessão que exibe um dos principais filmes da programação oficial – Anthropocene: The Human Epoch aproveitando para apresentar as suas visões sobre a geo-arquitetura.

Cinema São Jorge transforma-se em Quarto Escuro

O cinema São Jorge vai transformar-se este sábado, a partir das 17 horas num Quarto Escuro, onde músicos, humoristas, atores e bailarinos participam neste “primeiro espetáculo às escuras” e sem programa anunciado.

Esta que é também uma iniciativa solidária  é apresentada pelos radialistas Fernando Alvim e Ana Galvão. A origem desta iniciativa remonta a 2005, quando Fernando Alvim no programa “Prova Oral”, na Antena3, entrevistou Maria da Conceição, que criou a Fundação Maria Cristina, cujo objectivo era a intervenção nas favelas do Bangladesh para promover a educação de crianças e de as tirar da pobreza. A iniciativa solidária é precisamente que a receita deste espectáculo reverta na totalidade para a Fundação Maria Cristina.

youtu.be/Nii5AYKvYHY

O espectáculo decorre às escuras, mas não totalmente, pois irá acender-se um foco de luz durante as actuações, mas, nos primeiros segundos, não se vê nada. A originalidade deste espectáculo é ninguém saber o que vai acontecer, ou seja uma surpresa total, para público, os artistas e possivelmente a organização, conforme o próprio cartaz se apresenta.

A organização, convocou toda a comunidade artística portuguesa, para aderir a esta iniciativa, mas não revela os nomes que estarão no palco do São Jorge, para que a surpresa seja total.

Criar Conta de Utilizador